(11) 93308-6265
(15) 99135-9851
0800-878-3353 - Ligação Gratuita 24h - Clínica Particular
Clínica de recuperação de drogas

Clínica de Recuperação de Drogas

Clínica de Recuperação de Drogas

Clínica de recuperação de drogasAs drogas são consumidas desde os primórdios da história humanidade.

Civilizações antigas e tribos indígenas tinham o costume de consumir plantas psicotrópicas como coca, ópio e maconha que eram utilizadas em rituais religiosos, cura de doenças e alívio da fome, entre outros fatores culturais e sociais.

A maconha, por exemplo, tem suas primeiras referências na Ásia Central, com data de 12.000 a.C. segundo os arqueólogos.

Na Índia, já haviam descoberto que a droga causava euforia por volta de 2000 a.C. A maconha era usada para estimular o apetite, induzir o sono e curar doenças venéreas.

Com a evolução da humanidade, as drogas também evoluíram e, além do consumo de drogas de origem natural como cocaína, álcool e a maconha, surgiram as drogas “fabricadas” pelo homem com componentes químicos não encontrados na natureza, como é o caso do ecstasy, LSD e a heroína. Estas são as chamadas drogas sintéticas.

No começo dos anos 1920, estima-se que já haviam 100.000 usuários de drogas no mundo e de lá para cá, este número já passa dos 3,5 milhões.

Praticamente o mundo inteiro sabe que o abuso do consumo de drogas é muito perigoso e prejudicial à saúde, causando diversos males ao próprio consumidor e também direta ou indiretamente para seus familiares.

O que muitas pessoas desconhecem é o importante trabalho que uma clínica de recuperação de drogas têm no combate a dependência química.

E você, sabe qual o papel de uma clínica de recuperação de drogas? Quais os profissionais que lá trabalham e qual o função de cada um? Continue a leitura e descubra as respostas para estas perguntas!

Clínica de recuperação de drogas: quem trabalha lá?

Uma clínica de recuperação é sem dúvidas a melhor opção para que um dependente químico ou alcoólatra possa iniciar seu tratamento.

A clínica de recuperação geralmente é um local isolado, longe de grandes centros, tranquilo, com o objetivo de ajudar o paciente a se concentrar em sua reabilitação. Ela conta com o apoio de profissionais que pertencem a diversas áreas e que juntos têm o objetivo de otimizar o tratamento e recuperação do dependente químico. Veja alguns deles e qual a função de cada um:

  • Psicólogo: quando um dependente químico chega na clínica de recuperação, um dos papéis do psicólogo é descobrir qual foi o motivo que levou o paciente a usar drogas, daí então trabalhar na melhor forma de ajudar no processo de recuperação . Além disso, o psicólogo tem a função de ajudar o paciente a evitar uma recaída, após sua desintoxicação.
  • Psiquiatra: Nem todos os pacientes conseguem ser curados sem o uso de medicamentos. Sem falar que alguns desenvolvem outras doenças como a depressão, ansiedade ou esquizofrenia. Neste caso o psiquiatra é essencial para receitar medicamentos que irão ajudar o paciente em sua reabilitação.
  • Nutricionista: Dependendo do caso, um dependente químico chega a clínica de recuperação com o corpo debilitado, ou então durante sua desintoxicação, o paciente pode perder muito peso. Neste caso o nutricionista prescreve uma dieta balanceada que o ajudará a recuperar sua saúde e prosseguir com o tratamento.
  • Enfermeiro: Assim como em um hospital comum, o enfermeiro tem o objetivo de sempre ficar atento ao dependente químico em seu processo de recuperação. Juntamente com o médico, o enfermeiro é responsável por dosar e acompanhar medicações.

Estes são apenas alguns dos profissionais que trabalham na clínica de recuperação de drogas.

Se você conhece alguém que esteja sofrendo com a dependência química ou alcoolismo e quer ajudar esta pessoa, entre em contato com o Grupo Recomeço. Agende uma visita e venha conhecer nossas instalações e nossos profissionais.

Possuímos mais de 20 anos de experiência ajudando famílias a terem uma vida mais feliz e saudável, longe dos males que a dependência química pode causar.

Clínica de Recuperação em Sorocaba

Clínica de Recuperação em Sorocaba

Clínica de recuperação em Sorocaba

Clínica de Recuperação em SorocabaSorocaba, com seus quase 700.000 habitantes, é a quarta cidade mais populosa do interior do estado de São Paulo.

Fundada em 15 de agosto de 1694 pelo capitão Baltazar Fernandes, Sorocaba recebeu este nome de origem tupi-guarani – que significa “terra rasgada” –  devido às erosões presentes em seu terreno na época.

Sorocaba possuía e possui uma posição geográfica estratégica que servia de rota para os tropeiros até os estados de Minas Gerais e Mato Grosso, além de outras regiões do estado de São Paulo.

Devido à esta posição estratégica, em 1875 Sorocaba ganhou a Estrada de Ferro Sorocabana que tinha como um de seus destinos o porto de Santos.

Desde então, Sorocaba cresceu e indústrias têxteis com origens inglesas chegaram a região e assim Sorocaba recebeu o apelido de Manchester Paulista.

Nos anos 1970, indústrias de outros segmentos chegaram à Sorocaba e de lá até os dias de hoje a cidade continua crescendo e se modernizando cada vez mais.

Além das indústrias, Sorocaba possui uma área comercial bem vasta com shoppings, muitas lojas, super e hipermercados entre outros comércios.

Além disso, possui muitas áreas de lazer como parques e também um zoológico que é considerado um dos mais completos da América Latina.

No entanto, uma cidade com um crescimento econômico e populacional como Sorocaba, não ficaria livre de problemas como a dependência química.

Felizmente, a clínica de recuperação é a melhor solução para uma pessoa que sofre com a dependência química e o alcoolismo em Sorocaba.

Em breve falaremos mais sobre a clínica de recuperação em Sorocaba. Continue a leitura!

Jovens sorocabanos, principais alvos das drogas

No final do ano passado (2018), uma pesquisa realizada pelo grupo Coalizão Sorocaba entre alunos das escolas estaduais da cidade, mostrou que quase metade dos estudantes (47%) entre 14 e 18 anos já tiveram contato com algum tipo de droga.

Destes 47%, a maioria entre 14 e 15 anos de idade, disseram que já experimentaram álcool (40%), narguilé (26,5%), maconha (22,9%) e tabaco (22%).

Dos motivos apresentados pelos jovens, 37% disseram ter experimentado as drogas por curiosidade, 27% disseram que os amigos ofereceram, 23% compraram e 10% pediram para alguém comprar.

Esta pesquisa foi apresentada e debatida em audiência pública na Câmara Municipal de Sorocaba em 09/11/2018 e você pode ver mais detalhes sobre este evento aqui.

Poder público contra as drogas

Tanto o poder legislativo, quanto o poder executivo de Sorocaba preocupam-se com o combate às drogas na cidade e região.

Neste ano (2019), mais precisamente em 14 de março, a Prefeitura de Sorocaba através da Secretaria de Políticas sobre Drogas (Sepod), iniciou um mapeamento do consumo de drogas na cidade.

O objetivo principal é a prevenção, porém também saber quem são os usuários que já se encontram em situações de dependência química, muitas vezes sem moradia, expostas à todo tipo de riscos contra a vida, para que as devidas providências sejam tomadas e estas pessoas auxiliadas.

Apesar de todo o esforço do poder público, há um número muito grande de dependentes químicos e alcoólatras na cidade de Sorocaba.

E pensando nestas pessoas e em suas famílias, o Grupo Recomeço, clínica de recuperação em Sorocaba, possui uma equipe de profissionais altamente treinados e capacitados para ajudar todos os tipos de pacientes relacionados à dependência química e alcoolismo.

Nossa estrutura foi desenvolvida para proporcionar maior conforto, segurança e tranquilidade para nossos pacientes e também familiares.

Se está procurando uma clínica de recuperação em Sorocaba, entre em contato conosco. Se possível, agende uma visita e venha conhecer de perto o Grupo Recomeço. Estamos à sua disposição!

Clínica de recuperação em Goiânia - GO

Clínica de Recuperação em Goiânia – GO

Clínica de Recuperação em Goiânia – GO

Goiânia, capital do estado de Goiás, é a segunda maior cidade do Centro-Oeste brasileiro, ficando atrás apenas de Brasília.

Goiânia é uma das capitais mais jovens do Brasil, com 85 anos de existência, foi fundada em 24 de outubro de 1933  por Pedro Ludovico Teixeira.

Goiânia é considerada uma cidade agradável para se morar pela a maioria das pessoas que a conhecem, pois tem um “ar” de cidade interiorana, com habitantes mais amistosos e um trânsito mais “tranquilo”, comparando com outras capitais do Brasil.

A capital de Goiás possui uma bela arquitetura que pode ser vista em pontos turísticos, como o Teatro de Goiânia, e o Coreto da Praça Cívica, por exemplo.

A cidade também é repleta de áreas verdes encontradas nos diversos parques espalhados pelo município. Os habitantes costumam fazer caminhadas ou praticar outro tipo de exercícios bem cedo, pela manhã, ou ao final da tarde.

Agora que falamos de algumas das vantagens da cidade de Goiânia, vamos falar das desvantagens.

Uma delas é o clima seco em boa parte do ano. Como na maioria da região Centro-Oeste, a cidade de Goiânia possui umidade relativa do ar bem abaixo do considerado normal pela OMS (Organização Mundial da Saúde), que seria entre 50% e 80%. Os meses mais secos são os de julho à setembro.

Em setembro deste ano (2019), a umidade relativa do ar em Goiânia chegou a 13% após mais de 100 dias sem chuvas na cidade.

O que ameniza um pouco a situação, é a cidade ser bem arborizada, como foi dito anteriormente.

Mas de todos os problemas que Goiânia possui, este é um dos menores.

Um problema que tem uma dimensão bem maior que a umidade relativa do ar é o tráfico de drogas na cidade e na região

E onde há tráfico de drogas, há clientela, ou seja, usuários de drogas que já são, ou muito provavelmente se tornarão dependentes químicos.

Dependência química é uma doença que destrói vidas, não só no sentido literal, de levar a pessoa à morte, mas também desestabiliza famílias, acaba com a vida social de um indivíduo e pode desencadear outras doenças, além de poder levar o usuário de drogas à criminalidade.

Antes destas tragédias acontecerem, a melhor opção é procurar uma clínica de recuperação em Goiânia. Vamos falar mais sobre este assunto específico em breve. Continue comigo!

Disk Drogas

No final de abril de 2019, a  Polícia Civil do estado de Goiás prendeu 6 pessoas responsáveis por organizar uma central de distribuição de drogas na cidade de Goiânia.

O grupo possuía mais de 1400 clientes cadastrados em seus celulares e faziam, pelo menos, 100 entregas por dia nas residências dos usuários de drogas.

Entre as substâncias comercializadas estavam principalmente cocaína, maconha e ecstasy.

O organização criminosa possuía uma estrutura onde as tarefas eram divididas entre atender ligações, depositar as drogas, organizar as entregas, e fazer a contabilidade.

As drogas eram entregues em toda a região metropolitana de Goiânia e o grupo faturava mais de R$ 150.000,00 por mês. A matéria completa você pode ver aqui.

Este é apenas um exemplo de pessoas que contribuem com o aumento de dependentes químicos na cidade de Goiânia. Mas também existem aquelas que querem ajudar.

A ajuda ideal

Pensando nesta triste situação que afeta milhares de pessoas e famílias, o Grupo Recomeço presta seus serviços como clínica de recuperação em Goiânia-GO.

Com mais de 20 anos de experiência, o Grupo Recomeço é uma clínica terapêutica particular, especializada na prevenção, combate e tratamento de dependência química e  alcoolismo.

Nossa metodologia terapêutica é completa e atualizada, proporcionando um tratamento que abrange a área física, psicológica e social dos nossos pacientes. Restaurando princípios e valores para que as pessoas tenham novamente a capacidade e a força de vontade para permanecerem sóbrias.

Se você precisa de ajuda, ou conhece alguém que precise para tratar a dependência química ou alcoolismo e está buscando uma clínica de recuperação em Goiânia-GO, entre em contato com o Grupo Recomeço! Teremos grande satisfação em esclarecer todas as suas dúvidas!

Clínica de Recuperação em Campinas

Clínica de Recuperação em Campinas

Clínica de recuperação em Campinas

Clínica de Recuperação em CampinasFundada em 1774 por Francisco Barreto Leme do Prado, Campinas é a maior cidade do interior paulista (falando em número de habitantes) com pouco mais que 1.200.000 habitantes, e a terceira maior do estado de São Paulo, ficando atrás apenas de Guarulhos, que tem pouco mais que 1.300.000 habitantes, e da capital São Paulo com seus mais que 12.000.000 de habitantes.

Campinas tem este nome devido a região que possuía terrenos descampados (sem árvores).

A cidade cresceu com o cultivo da cana-de-açúcar e do café, mas hoje em dia suas principais atividades econômicas estão concentradas na indústria e no comércio.

Campinas é a décima cidade mais rica do Brasil, se destacando na área de pesquisa e desenvolvimento, sendo responsável por 15% da produção científica brasileira, graças às atividades desenvolvidas pela Universidade Estadual de Campinas, a Unicamp.

Mas claro que uma cidade tão grande e desenvolvida como Campinas não estaria livre de problemas.

Um deles está relacionado às drogas e a dependência química que ela causa.

Neste caso, é necessário procurar uma clínica de recuperação em Campinas.

Campinas contra as drogas

Sabendo dos males que as drogas causam, a prefeitura de Campinas se preocupa em conscientizar sua população através da Coordenadoria de Prevenção às Drogas.

Neste ano, mais precisamente entre os dias 26 e 28 de junho, a prefeitura, juntamente com o Conselho Municipal de Entorpecentes (Comen), realizou um evento intitulado “Jornada de Prevenção e Cuidado sobre Drogas: Vamos falar sobre isso?” que foi gratuito e aberto à toda população.

Este evento foi composto por palestras, debates e oficinas que tinham como objetivo principal informar a população sobre a prevenção e os cuidados necessários referente às drogas.

Não é à toa que o poder executivo de Campinas se preocupa com a prevenção e combate às drogas.

Segundo a prefeitura, são mais de quatro mil pessoas cadastradas como usuárias de drogas, fora as pessoas que são dependentes químicas e não procuram ajuda, portanto, não são contabilizadas. Detalhe importante: isso, no ano de 2013. Infelizmente, as coisas não melhoraram muito atualmente.

Trata-se de uma batalha contra as drogas, pois assim como a prefeitura tenta ajudar as pessoas a ficarem longe das drogas, por outro lado traficantes exploram dependentes químicos preocupando-se apenas em ganhar dinheiro e não se importando com a vida humana.

Somente para citar um exemplo, no último mês de julho, a Polícia Civil prendeu um homem de 33 anos que estava embalando porções de cocaína que seriam vendidos na cidade de Campinas e Valinhos. Você encontra a matéria completa aqui.

A ajuda do poder público é insuficiente

Por mais que a prefeitura de Campinas tenha programas de prevenção e conscientização, quando as drogas dominam a vida de uma pessoa, as coisas ficam bem mais difíceis.

Difíceis, não impossíveis. A dependência química é uma doença que possui tratamento adequado.

Neste momento é imprescindível que o dependente químico seja internado em uma clínica de recuperação.

A prefeitura de Campinas conta com a ajuda de Institutos que possuem serviços de reabilitação para dependentes químicos gratuitos.

Mas justamente por se tratar de instituições sem fins lucrativos, depende de doações e tem vagas limitadas para tratar dos pacientes, não atendendo a grande demanda de pessoas com problemas referentes ao abuso de álcool e drogas.

Felizmente a cidade de Campinas conta com os serviços de internação do Grupo Recomeço, uma clínica particular de recuperação para dependentes químicos e alcoólatras.

Com mais de 20 anos de atuação, o Grupo Recomeço possui profissionais treinados e capacitados para prestarem os melhores serviços para os pacientes.

Possuímos metodologia terapêutica atualizada e completa, tendo como objetivo principal proporcionar uma reabilitação saudável e permanente para nossos pacientes.

Se você precisa de ajuda para tratar a dependência química ou alcoolismo, entre em contato com o Grupo Recomeço e teremos grande prazer em te atender e esclarecer todas as suas dúvidas!

Clínica de Recuperação em Londrina - PR

Clínica de Recuperação em Londrina – PR

Clínica de recuperação em Londrina – PR

Clínica de Recuperação em Londrina - PRLondrina, uma das cidades do interior do estado do Paraná, possui uma população de quase 600 mil habitantes, sendo a segunda maior do estado.

Relativamente uma jovem cidade, comparando com outras centenárias.

Foi fundada em 10 de dezembro de 1934 pelo inglês Simon Joseph Fraser, mais conhecido como Lord Lovat, que ficou impressionado com a exuberância do local, ao visitar a terra pela primeira vez 10 anos antes de sua fundação oficial.

Lord Lovat, juntamente com outros ingleses, criou a Companhia de Terras Norte do Paraná onde deram início à construção de uma ferrovia e, pelo caminho, fundavam cidades no norte do Paraná.

Ao observar a neblina que era comum na região e, que se assemelhava à da cidade de Londres, os ingleses chamaram o local de Londrina, que significa pequena Londres, assim, homenageando suas origens.

Londrina ficou conhecida também como a Capital Mundial do Café por causa do grande cultivo da planta devido ao solo fértil da região.

A pequena Londres é uma cidade acolhedora, recebeu e recebe pessoas do Brasil e de todo o mundo, forte na parte agrícola, industrial e tecnológica, Londrina é uma cidade completa, com uma infraestrutura excelente e qualidade de vida acima da média da maioria das cidades brasileiras.

Mas como todas as outras cidades, Londrina também tem seus problemas. E um deles é o tráfico de drogas e os males decorrentes desta prática criminosa.

Agente Duplo

Em janeiro de 2018, os bombeiros encontraram uma plantação de maconha dentro de uma suposta clínica de recuperação em Londrina.

Não, você não leu errado. Sei que é difícil de acreditar, mas realmente aconteceu.

Os bombeiros foram chamados para atender uma ocorrência de incêndio e, ao chegarem em seu destino, se depararam com uma plantação de maconha e também uma grande quantidade pronta para o consumo.

A polícia militar foi acionada, e verificou que a planta era cultivada com bastante zelo, em uma estufa com ar condicionado, ventiladores e iluminação.

A clínica de reabilitação estava no nome de um casal que já havia sido alvo de uma operação de combate ao tráfico de drogas em Belém-PA. No local, ninguém foi encontrado nem preso.

Para fazer uma comparação rápida, é o mesmo que ter um policial que trabalha para a sociedade, que tem o dever de proteger a população, ao mesmo tempo trabalhar para o crime, destruindo a população. Um agente duplo.

Sei que é uma notícia absurda, mas você pode lê-la na íntegra aqui.

As clínicas de recuperação têm o objetivo único de ajudar o dependente químico e/ou alcoólatra a ficar livre de uma vez por todas desta terrível doença e não o contrário, incentivando o consumo de drogas.

O Grupo Recomeço, clínica de recuperação em Londrina – PR, é uma clínica séria, com mais de 20 anos de experiência no tratamento contra a dependência química e alcoolismo.

O Grupo Recomeço possui um ambiente familiar, seguro e confortável para nossos pacientes e seus familiares.

Contamos com uma equipe de profissionais treinados e capacitados para cumprir nossa missão que tem o objetivo principal de cuidar e restaurar a vida do ser humano.

Possuímos atendimento 24 horas voltado para resgate e internações. Estamos sempre prontos para atender e cuidar de nossos pacientes da melhor maneira possível.

Se você está procurando uma clínica de recuperação em Londrina – PR, entre em contato com o Grupo Recomeço, tire todas as suas dúvidas, e se desejar, agende uma visita para nos conhecer pessoalmente! Será um prazer recebê-lo(a)!

Clinica para Dependentes Químicos sp zona leste

Clinica para Dependentes Químicos SP Zona Leste

Clinica para Dependentes Químicos SP Zona Leste

Clinica para Dependentes Químicos sp zona leste Conhece a Zona leste da cidade de São Paulo e as clínicas para dependentes químicos nesta região? Continue a leitura que irei te contar mais sobre o assunto!

A cidade de São Paulo é a mais populosa do Brasil, da América e também de todo hemisfério sul do nosso planeta! São mais de 12 milhões de habitantes morando na capital paulista, segundo dados do IBGE.

Impossível uma cidade com toda essa dimensão não ter problemas tão grandes quanto o tamanho dela. Mas vamos falar logo mais sobre isso.

São 96 distritos e 32 subprefeituras para atendar melhor o que a prefeitura chama de “pequenos municípios” dentro da capital.

Em uma divisão de território um pouco mais ampla, a cidade está dividida em 5 partes:
• Região Central
• Zona Norte
• Zona Sul
• Zona Oeste
• Zona Leste

Zona Leste

Os bairros mais conhecidos que compõem a zona leste da capital paulista são:
• Aricanduva/Vila Formosa
• Cidade Tiradentes
• Ermelino Matarazzo
• Guaianases
• Itaim Paulista
• Itaquera
• Mooca
• Penha
• São Mateus
• São Miguel Paulista
• Sapopemba
• Vila Prudente

Agora que você conhece um pouquinho da zona leste de São Paulo, vamos falar sobre um problema que preocupa não só esta região específica, mas todo o país e até mesmo o mundo: as drogas.

Infelizmente devido à grande população, problemas sociais e a criminalidade crescente, o tráfico de drogas é muito alto na região.

Por exemplo, no mês de julho de 2019, o portal de notícias R7 informou que no dia 16 deste mesmo mês, um casal foi preso no Jardim Itápolis com cerca de 400kg de drogas entre maconha e crack, mais a quantia aproximada de R$ 47 mil em dinheiro. A polícia afirmou que este homem seria o responsável pelo tráfico na região e que a droga apreendida seria distribuída para os bairros da zona leste paulista.

Outra ocorrência mais recente também noticiada pelo portal R7, informou que dois homens foram presos em Guaianases por tráfico de drogas. Um deles havia ingerido 100 cápsulas de cocaína. A droga tinha destino final a Etiópia e seria comercializada no país.

Até mesmo o funkeiro MC Guimê já foi preso duas vezes por porte de drogas. Uma em 2016, e a outra em março de 2019. Nesta última vez, estava no bairro de Cangaíba, zona leste de São Paulo e foi levado para o 10º DP, na Penha, mesma região. Após assinar um termo circunstanciado, foi liberado. Em entrevista cedida no ano de 2014 à Folha, o famoso confessou que usava maconha todos os dias.

Agora que você já sabe de algumas ocorrências na zona leste de São Paulo referindo-se a tráfico de drogas, nem preciso dizer que ali existem muitos dependentes químicos. Onde há muita mercadoria para se oferecer, geralmente há também muito clientela.

Mas nem tudo são más notícias. Assim como há tráfico de drogas e dependentes químicos, também existem as clínicas de recuperação.

O Grupo Recomeço é uma clínica para dependentes químicos SP zona Leste. Ela possui os melhores profissionais e um atendimento completo que abrange as áreas física, psicológica e social.

Se você mora, ou conhece alguém que more na zona leste de São Paulo e esteja precisando de uma clínica de reabilitação para dependentes químicos, entre em contato com o Grupo Recomeço para mais informações! Teremos um imenso prazer em atende-lo(a)!

Centro de recuperação para dependentes químicos

Centro de recuperação para dependentes químicos: o que são e como funcionam?

Centro de recuperação para dependentes químicos: o que são e como funcionam?

Centro de recuperação para dependentes químicosSe você digitar no Google as palavras “centro de recuperação para dependentes químicos” vai encontrar diversas propagandas de vários estabelecimentos oferecendo seus serviços.

Mas ainda existe muita dúvida sobre como estes centros de recuperação são e como funcionam.

Quando você ou alguém da sua família fica doente, qual a primeira coisa que costuma fazer?

Dependendo do problema, talvez toma um remédio, do tipo analgésico. Se você não tem o medicamento em casa, vai até a farmácia mais próxima e compra, certo?

Lembrando que estamos falando de doenças comuns como, por exemplo, um resfriado, dor de cabeça, aquela dorzinha no estômago quando você come algo que não cai bem.

Nestes casos, além de tomar os remédios vendidos em farmácias e drogarias, você também tem a opção de tomar os remédios caseiros a base de ervas e produtos naturais, a famosa receita da vovó.

Mas e quando você já tomou aquele chazinho medicinal caseiro e já tomou também o comprimido analgésico e a dor ainda continua? O que fazer?

Muito provavelmente você irá a um hospital para consultar-se com um médico e, se for necessário, fazer alguns exames. Daí então, o médico decidirá qual o tratamento mais adequado para você.

Suponhamos que você estava com uma dor no estômago.

Após os resultados dos exames, o médico constatou que você precisa ficar internado(a) e fazer uma cirurgia. Foi constatado que há um corpo estranho dentro do seu estômago!

Calma! Nem você, nem eu, queremos passar por isso. Apenas estamos supondo uma situação, ok?

Sua cirurgia foi um sucesso! Parabéns! O médico retirou um pequeno objeto de metal do seu estômago. Não me pergunte do que se trata nem como ele foi parar lá…

Agora é hora de ir para casa, certo?! Errado! O médico disse que você precisa ficar em observação antes de te dar alta.

Apesar de sua cirurgia ter sido um sucesso e você estar com um quadro médico estável, ainda são necessários alguns cuidados para que você volte para casa 100%.

Da mesma forma que você ou qualquer pessoa que fique doente e precise de ajuda profissional, também acontece com um dependente químico.

Lembrando que a dependência química é uma doença e assim como qualquer outra, precisa de tratamento adequado.

Daí que entra o centro de recuperação para dependentes químicos.

Muito além de ser um hospital comum, o centro de recuperação para dependentes químicos é um local de acolhimento.

Além do tratamento médico, o centro de recuperação irá ajudar o paciente com atividades que façam bem ao seu corpo e sua mente.

A prática de esportes, por exemplo, é algo que ajuda o dependente químico a sentir prazer e também é um meio de socializar.

Outros métodos que fazem parte da reabilitação do paciente é a prática de pequenos serviços voluntários mostrando que o indivíduo pode ser útil com seu trabalho.

O apoio a família por parte do centro de recuperação também faz parte do tratamento, afinal os familiares também sofrem com a dependência química de um ente querido.

Resumindo, quando o dependente químico é internado, ele passará por exames médicos e procedimentos que o deixarão livre do vício e pronto para retornar a sociedade.

Igual o exemplo da sua ida ao hospital devido a dor no estômago. Enquanto você não estiver 100%, o médico não irá te dar alta.

Assim também acontece com o dependente químico.

Se você precisa de ajuda ou conhece alguém que esteja precisando, entre em contato com o Grupo Recomeço e receba mais detalhes.

Internação Compulsória para Alcoólatras

Internação Compulsória para Alcoólatras: Saiba o que é e como conseguir ajuda.

Internação Compulsória para Alcoólatras: Saiba o que é e como conseguir ajuda.

Internação Compulsória para AlcoólatrasAntes de mais nada, você sabe a diferença entre internação voluntária, involuntária e internação compulsória para alcoólatras? Fique comigo que vou te contar as diferenças de cada uma.

Se você já foi até a praia ou algum clube aquático, provavelmente deve ter visto um salva-vidas. Aquelas pessoas que ficam de olho nos que estão no mar ou piscina para evitar que se afoguem. Claro que tanto o salva-vidas, quanto todas as outras pessoas que estão se divertindo não querem que nenhum acidente relacionado a afogamento aconteça. Mas e se acontecer, como proceder? O que deve ser feito para ajudar quem está se afogando?

Na imensa maioria das vezes uma pessoa que está no mar ou em alguma piscina e começa a se afogar, se desespera. A primeira coisa que ela quer fazer é se agarrar em algo ou em alguém para que não afunde e morra afogada. Por isso que os salva-vidas têm a técnica de sempre tentar resgatar quem está se afogando chegando pelas costas dela. Pois geralmente se o indivíduo vê o salva-vidas, ele irá agarrá-lo e além de se afogar, irá também afogar o salva-vidas devido ao desespero.

Mas e se isso acontecer? Se a pessoa que está se afogando começar a puxar para baixo o salva-vidas e também começar a afoga-lo? Eis que o salva-vidas precisa tomar uma atitude mais dura. Precisa nocauteá-la! Isso mesmo! De cara isso pode parecer uma maldade com quem precisa de ajuda urgentemente. Mas na verdade é bem o contrário. Imagine que se o salva-vidas não desmaiar a pessoa que está se afogando, ambos irão morrer! Sabe aquela frase que diz: “vai doer mais em mim do que em você” ou “estou fazendo isso para o seu próprio bem”? É por aí.

Você deve estar se perguntando: O que essa história de salva-vidas e afogamento tem a ver com alcoolismo, internação compulsória, voluntária e involuntária?

Vamos imaginar que um casal foi para a praia. O homem quer ir dar um mergulho no mar e a mulher quer ficar na areia relaxando e tomando um banho de sol. E perto deles existe um salva-vidas.

Imaginemos agora 3 situações:

1. Na primeira, o homem está nadando, porém percebeu que o mar estava muito agitado e aos poucos estava o arrastando para mais longe da praia. Por conta própria, ele decide sair das águas e ir para junto de sua companheira.
2. Na segunda, o homem está nadando, o mar está bem agitado, mas ele está se divertindo e a água está tão agradável que ele não percebe o perigo. Mas sua companheira o observa de longe e percebe. Acena para ele, vai até a beira do mar e consegue afastá-lo do perigo.
3. Na terceira, o homem também não percebe o perigo, e nem mesmo sua companheira. Tanto que o homem começa a se afogar. Neste momento a mulher não pode ajudar, pois ele está muito longe da praia, o mar está agitado e ela também não é boa nadadora. É então que o salva-vidas entra em ação. Se for necessário, ele irá nocautear o homem que está se afogando para salvá-lo.

Agora, fazendo uma comparação, imagine que o homem representa um alcoólatra. A mulher é a família do alcoólatra. E o salva-vidas é um juiz, um magistrado.

Na primeira situação comparamos com a internação voluntária. Neste caso o alcoólatra reconhece que está numa situação perigosa que pode leva-lo a uma situação pior ainda e por conta própria procura a ajuda e aceita a internação.

Na segunda situação comparamos com a internação involuntária onde o alcoólatra não reconhece o perigo que corre e então a família o ajuda providenciando sua internação.

E finalmente na terceira situação, comparamos com a internação compulsória. Neste caso um juiz autoriza a internação do alcoólatra, independente da família aceitar ou não.

Conseguiu entender a diferença entre internação voluntária, involuntária e compulsória?

Se você conhece alguém que se encaixe em algum dos três exemplos acima, ou até mesmo você precise de tal ajuda e se encaixa no primeiro exemplo, saiba que o Grupo Recomeço pode e irá ajudar! Entre em contato conosco para saber mais detalhes.

Como ajudar uma pessoa alcoólatra?

Como ajudar uma pessoa alcoólatra?

Como ajudar uma pessoa alcoólatra?

Como ajudar uma pessoa alcóolatra?Você muito provavelmente deve conhecer alguém que tem ou já teve problemas com bebidas alcoólicas. Além de causar danos a sua própria saúde, direta ou indiretamente, também prejudica de forma física ou psicológica seus familiares e pessoas próximas. Mas como ajudar uma pessoa a livrar-se deste problema tão grave?

” Já que me ensinou a beber
Já que me ensinou a sofrer
Me ensina, por favor
Como é que faz pra te esquecer”

Este é o refrão da música “Já que me ensinou a beber”, interpretada pela banda de forró “Os Barões da Pisadinha”. Na letra da música percebemos a história de alguém que não conseguiu superar o término de um relacionamento e, por intermédio desta dificuldade, tornou-se viciada em bebida alcóolica. Esta ideia fica mais evidente no trecho a seguir:

”Cê me tirou do coração
E eu não te tirei da mente
O álcool não apaga
A saudade da gente…”

Apesar de ser uma letra de música, retrata a triste realidade de muitas pessoas que recorrem à bebida alcoólica para tentar esquecer a pessoa amada. Muitos se iludem pensando que vão encontrar a solução de seus problemas entregando-se ao consumo abusivo de álcool. Como o próprio verso da música diz: “o álcool não apaga a saudade da gente”.

O álcool não apaga a saudade, o álcool não traz a pessoa amada de volta, o álcool não elimina as dívidas, o álcool não muda o passado…

Vemos na música citada anteriormente o exemplo de uma pessoa que começou a beber por causa do fim de um relacionamento amoroso, mas são vários os motivos que podem levar alguém ao vício em álcool. Nem sempre um indivíduo se torna alcoólatra por tentar esquecer ou livrar-se de algum problema. O vício pode surgir da inocente “cervejinha” com os amigos no final de semana, ou de reuniões em família. Não que isto seja errado. Mas é necessário ter muito cuidado e também moderação, como as próprias propagandas de bebidas alcoólicas sugerem. É fundamental o discernimento entre o consumo social da bebida alcoólica e do abuso da mesma. Um momento de diversão, de descontração, de relaxamento, futuramente pode se transformar em momentos de dificuldade e, até mesmo destruição, caso a pessoa venha a perder o controle da situação.

Um relatório oficial da OMS (Organização Mundial da Saúde) publicado em 21 de setembro de 2018, trouxe alguns dados referentes ao consumo de álcool no mundo:

  • Em 2016 mais de 3 milhões de pessoas morreram devido ao consumo abusivo de álcool. Destes 3 milhões, mais de três quartos eram homens.
  • Aproximadamente 283 milhões de pessoas sofrem de algum transtorno causado pelo consumo de álcool.
  • O consumo médio diário de quem bebe álcool é de 33 gramas de álcool puro. Este número equivale a uma garrafa de cerveja de 750 ml.

Como vemos, o consumo excessivo de álcool é um problema que traz graves consequências para a humanidade. Mas voltando a pergunta do início, como ajudar uma pessoa que sofre com o alcoolismo?

Infelizmente é comum que o dependente alcoólico não reconheça sua doença. E na grande maioria das vezes isso só acontece quando se chega no “fundo do poço”. Antes que isso aconteça, é fundamental a ajuda da família e/ou amigos.

A seguir, algumas dicas de como ajudar uma pessoa alcoolista:

  • Em primeiro lugar, você precisa aceitar que o alcoolismo é uma doença e procurar conhece-la. Você não vai convencer que alguém está doente se você mesmo não acredita nisso;
  • Cuidado com o próprio envolvimento emocional. Esta é hora de deixar ressentimentos do passado de lado. Não se deve agir com sentimentos de vingança ou rancor, por mais difícil que isso possa ser. Perdão e compaixão são muito importantes neste momento;
  • Ofereça segurança. Mostre que você é uma pessoa de confiança e que também confia na pessoa e que ela pode ter uma qualidade de vida melhor;
  • Seja paciente e perseverante, pois este processo não é fácil e pode demorar um tempo até que a pessoa reconheça que tem uma doença e precisa de tratamento;
  • Finalmente, quando a pessoa aceitar o fato de que precisa de ajuda, faça o acompanhamento, não a abandone até que esteja totalmente livre da dependência.

O próximo passo é procurar a ajuda de profissionais. O Grupo Recomeço tem os melhores métodos e profissionais para ajudar todos os tipos de dependentes químicos, inclusive dependentes alcoólicos. Entre em contato conosco para saber mais detalhes.

Também recomendo a leitura do livro Solução para Farmacodependentes de Luis Antonio Correia, Edições Loyola, 1987, pág. 114.

Sinais de Dependência Alcoólica

Sinais de Dependência Alcoólica

Sinais de Dependência Alcoólica

Sinais de Dependência AlcoólicaSaiba como identificar os sinais de dependência alcoólica e entenda a importância do tratamento para a recuperação do paciente.

Além da predisposição genética para a dependência, existem outros fatores que podem estar relacionados ao alcoolismo, como ansiedade, angústia, insegurança, fácil acesso ao álcool e condições culturais.

O alcoolismo é uma doença crônica, caracterizada pelo consumo compulsivo de álcool. Contudo, ao contrário do que muitas pessoas acreditam, a doença não se define pela quantidade de bebida que o usuário consome, mas sim pela relação que ele tem com a substância.

A doença se caracteriza pela vontade insaciável e incontrolável de beber. Outros sintomas do alcoolismo são a falta de controle ao tentar parar de ingerir bebidas alcoólicas, a tolerância cada vez maior ao álcool e a dependência física, que se manifesta através de sintomas físicos e psíquicos em casos de abstinência.

Dessa forma, entende-se que o vício ocorre quando o usuário consome bebidas alcoólicas e, apesar do hábito estar prejudicando a sua saúde, ele não consegue abandoná-lo.Isso significa que o diagnóstico do alcoolismo não possui associação com o tipo ou a quantidade de álcool ingerido pela pessoa, mas sim com a capacidade que ela tem em controlar a ingestão da substância.

Apesar do alcoolismo ser considerado uma doença, é bastante comum encontrar pessoas que não sabem ou então não acreditam que a dependência e o consumo abusivo de álcool é extremamente prejudicial à saúde e deve ser levado a sério.

Os malefícios do alcoolismo

É absolutamente normal encontrarmos estudos científicos e inúmeras pessoas entusiastas e favoráveis ao consumo de álcool sugerindo que uma ou duas doses diárias trazem benefícios para o organismo.

Contudo, um relatório feito pela Organização Mundial da Saúde concluiu que a substância aumenta o risco de desenvolver depressão, ansiedade, cirrose, pancreatite e ainda potencializa as chances de suicídio, acidentes de trânsito e envolvimento em situações violentas.

O álcool ainda tem correlação com o câncer de boca, nariz, laringe, esôfago, fígado e, nas mulheres, o de mama. Em todo o mundo, estima-se que entre 4% e 30% das mortes por câncer podem estar associadas ao consumo de bebidas alcoólicas.

Até mesmo a ingestão moderada da substância pode oferecer riscos à saúde. A comumente recomendada dose diária aumenta em 4% as chances de câncer de mama, enquanto o uso exagerado pode ampliar em até 50% o risco de desenvolver a doença.

Além disso, o consumo abusivo de álcool enfraquece o sistema imunológico e tem relação com o desenvolvimento de doenças como pneumonia e tuberculose. A bebida ainda incentiva o comportamento sexual sem proteção, o que pode contribuir para aumentar as chances de se contrair doenças sexualmente transmissíveis.

Ao total, são mais de 200 doenças e lesões que podem estar relacionadas com o consumo da substância, sendo 30 causadas apenas por ela.

Para evitar os malefícios que o álcool oferece, é fundamental prestar atenção nos sintomas e buscar o tratamento o mais rápido possível. A seguir, vamos apresentar alguns sinais que estão associados ao comportamento de um alcoólatra.

Sinais de dependência alcoólica

O alcoolismo, assim como qualquer outra doença, traz consigo alguns sintomas. Na grande maioria das vezes, o dependente tende a negar o vício e a necessidade de receber ajuda, por isso, o apoio da família é primordial para combater e tratar a doença.

Em geral, é possível afirmar que os alcoolistas:

  • costumam beber sozinhos e sem qualquer justificativa;
  • apresentam uma forte necessidade e um desejo incontrolável de beber;
  • não conseguem abandonar o vício, mesmo que ele esteja afetando a sua vida pessoal e
    profissional;
  • apresentam alterações no humor;
  • comem mal ou deixam de se alimentar;
  • podem apresentar paranoia e alucinações;
  • sempre encontram uma desculpa para beber;
  • tentam esconder e disfarçar o consumo excessivo de álcool;
  • não conseguem ficar um dia sem ingerir bebidas alcoólicas;
  • evitam frequentar locais e eventos onde não possam beber;
  • apresentam sintomas de abstinência ao ficar sem consumir a substância;
  • bebem cada vez mais para sustentar o nível de álcool no corpo e atingir a intoxicação ou o
    efeito desejado;
  • gastam muito tempo em atividades necessárias para a obtenção de bebidas alcoólicas;
  •  apresentam perda de memória.

Caso qualquer um desses sinais de dependência alcoólica seja percebido, é crucial auxiliar o dependente e buscar tratamento o mais rápido possível.

Algumas questões importantes que podem auxiliar no diagnóstico precoce do alcoolismo:

Se em qualquer uma das perguntas a resposta for sim, é fundamental investigar a questão e realizar uma consulta com um médico especialista. Apenas um sim pode indicar um possível problema.

Contudo, mesmo que todas as respostas sejam não, é recomendável buscar a ajuda de profissionais da saúde sempre que o álcool começar a afetar negativamente a rotina e a vida do usuário.

Combater o alcoolismo é uma questão de saúde pública, por isso, é essencial prestar atenção em qualquer um dos sinais de dependência alcoólica . Caso o indivíduo apresente qualquer um dos sintomas, o apoio da família, dos amigos e o devido tratamento são indispensáveis para a sua total recuperação.

Estamos Online